quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Eu cresci?!



Se eu soubesse que crescer doía tanto, tinha me mantido por mais tempo criança...

               Um dia eu era apenas uma garotinha, perdida entre bonecas e tarefas escolares; 
noutro eu era uma jovem, perdida entre suspiros e medos...
Não me lembro como deixei de ser aquela garotinha... 
não me lembro do dia que me dei conta de que havia crescido... 
mas, me recordo de cada dor, de cada tropeço, de cada erro, de cada mágoa que vivi...

É tão difícil aprender...

Por mais que as pessoas nos contem suas experiências, nos mostrem seus exemplos, nada nos tira aquela sensação errônea de auto- suficiência;
e, só quebrando a cara, só sentindo a dor das próprias feridas, que nos damos conta do quão mais fácil seria se conseguíssemos seguir esses tais exemplos...

Doeu, sarou; ri, chorei... 
Mais doeu do que sarou, mais chorei que ri.. 
Mas, feriu com tanta intensidade que não me deixou repetir; 
foram tantas lágrimas que até quando feliz, as senti correr 
(as lágrimas são praticamente uma extensão de mim).

E, enquanto organizava meus pensamentos pra colocá- los aqui, me peguei pensando na definição de "exemplo", talvez pra tentar entender o pq de quase nunca ninguém seguir o de outrem. Numa rápida pesquisa, achei a seguinte explicação: "Tudo o que pode ser imitado" . Não precisa de mais pra saber o pq... Logo na fase de transição, do novo, o que menos se precisa é de uma xerox da vida do próximo, nós queremos mesmo é ser diferentes, é achar nossa própria identidade.

Diferentes? 
Sim!
Mesmo querendo fazer parte de uma determinada tribo, 
ainda que usando roupas, tênis e cabelos parecidos.... 
Sim,  nós queremos ser diferentes!


E pq raios eu comecei esse texto no singular e tô terminando no plural?
Simples... por mais que o tempo passe, e, as gerações evoluam (ou não) sempre teremos algo em comum: somos todos iguais em nossas diferenças! 
Clichê? Aham! Mas o clichê mais assertivo que há.

E quer saber a real?! 
Quem foi que disse que eu deixei de ser aquela garotinha, né Cássia Eller?!




1 comentários:

Leonardo disse...

Olha um texto muito bem escrito... que explora esta fase de quando estamos passando a transição da fase jovial pra adulta onde as responsabilidades surgem cada vez mais fortes na nossa vida... uma frase que me remete ai isso é mais ou menos assim: "Queria ter apenas 5 anos onde minha maior dificuldade era escolher a cor do lápis pra pintar o desenho"...

Enfim.. tá ótimoo o textoo
Vc minha escritora está de Parabéns ☺/\☻

Postar um comentário

:a   :b   :c   :d   :e   :f   :g   :h   :i   :j   :k   :l   :m   :n   :o   :p